As cores de Laurinha

Série Roda de histórias

Autor: Pedro Bandeira

Formato: Impresso

Ilustração: Osnei Rocha

Faixa etária: A partir de 09 anos

Trabalho interdisciplinar: Português

Indicação: 4º Ano (EF1), 5º Ano (EF1)

Área: Ficção

Assunto: Amor de filha pela mãe

Temas contemporâneos: Vida familiar e social

Dimensões do produto: 21,50 X 22,50

Número de páginas: 40

ISBN: 9788516063474

Moderna LiteraturaTruePortuguês BR
Imagem em alta resolução

Imagem em alta resolução

ascoresdelaurinha_FIXO.jpg

Download
Envie por e-mailImprimir

Leitura indicada para:

  • Buriti Plus
  • Disciplina: Integrado CHG (Buriti Plus)

    Volume/Ano: 1º Ano

    Unidade/Capítulo: Unidade 04


  • Presente Arte
  • Disciplina: Arte (Presente)

    Volume/Ano: 2º Ano

    Unidade/Capítulo: Unidade 03


  • Projeto Buriti
  • Disciplina: História

    Volume/Ano: 2º Ano

    Unidade/Capítulo: Unidade 02


    Disciplina: História

    Volume/Ano: 3º Ano

    Unidade/Capítulo: Unidade 03


    Disciplina: História (Buriti 3a edição)

    Volume/Ano: 2º Ano

    Unidade/Capítulo: Unidade 2


    Disciplina: História (Buriti 3a edição)

    Volume/Ano: 3º Ano

    Unidade/Capítulo: Unidade 3


    Disciplina: Português

    Volume/Ano: 3º Ano

    Unidade/Capítulo: Unidade 01


    Disciplina: Português (Buriti 3a edição)

    Volume/Ano: 3º Ano

    Unidade/Capítulo: Unidade 1


Sobre o Livro

As cores de Laurinha é um livro muito especial para mim. Muitas vezes, quando converso com os meus leitores, tem gente que pergunta se algum livro meu trata de algum fato que tenha acontecido comigo de verdade. E sempre respondo que não. A vida de um escritor é igual à vida de todo mundo. Quase nada acontece de fantástico, de aventuroso, de emocionante que possa virar uma história. As aventuras, as emoções e a fantasia são somente produto da imaginação do escritor. Neste livro, porém, pela primeira vez escrevi alguma coisa que realmente aconteceu comigo. Esta Laurinha sou eu, com cinco anos de idade, pré-escolar e naturalmente sem saber ler nem escrever. Minha mãe era viúva e pobre e eu quis comprar uma bolsa dourada para ela com o meu trabalho, vendendo os desenhos que eu fazia. Guardei esses planos em segredo, mas é claro que meus parentes viram o tal cartazinho mal escrito pregado no muro externo da minha casa. A partir daquele momento, meus tios e tias traziam "encomendas de colegas do escritório", "pedidos de amigos", e o meu negócio de vender desenhos foi um sucesso. Desse modo eu "ganhei" o meu primeiro dinheiro fazendo algum trabalho. A bolsa foi comprada para minha mãe e eu nunca mais pude dar a ninguém um presente melhor...
 

Conheça outros títulos da série

 

 

 

 

 

 

Contador de páginas