Material para o professor

    Sobre o livro

    Aos nove anos de idade, Finnikin está no alto da rocha das três maravilhas com o Príncipe Balthazar e Luciano, seus melhores amigos. Juntos firmam um pacto de sangue para proteger seu reino, Lumatere.
    Mal sabem  eles que em seguida ocorrerão os “cinco dias do inominável”, durante os quais a família real é brutalmente assassinada, um rei impostor assume o trono e uma maldição cai sobre aqueles que permanecem entre os muros do reino. Os que fogem ficam fadados a vagar como exilados.
    Dez anos se passam, e Finnikin é chamado para se encontrar com Evanjalin, uma jovem noviça com uma afirmação espantosa a fazer: Balthazar, herdeiro do trono, está vivo, e ela pode encontrá-lo. Será que, depois de tanto tempo, ainda há esperança para Lumatere e seu povo?
    A verdade surpreendente por trás dessa história colocará em prova a fé de Finnikin em si próprio e no seu destino.

    Conheça mais

    Detalhes da obra

    • iD
    • ISBN 9788516090937
    • Assunto Fantasia,
    • Tipo de obra Ficção
    • Faixa etária A partir de 12 anos
    • Preço sugerido R$ 26,90

    Dados técnicos

    • Formato ePub

    Sobre o autor

    Melina Marchetta


    Ganhadora de muitos prêmios, Melina Marchetta é a autora da trilogia Crônicas de Lumatere. O primeiro volume Finnikin, o Guerreiro recebeu o prêmio Aurealis, na Austrália, e foi considerado pela American Library Association um dos Dez Melhores Livros de Ficção para Adultos Jovens. Ela também escreveu Jellicoe Road (A Estrada de Jellicoe), ganhador do prêmio Michael L. Printz; Saving Francesca (Salvando Francesca) e seu complemento, The Piper’s Son (O Filho do Flautista), além de Looking for Alibrandi (Procurando Alibrandi). Sobre Froi, um Exilado, o segundo volume da série, ela diz: “A obra tem como tema a natureza versus a educação, laços de sangue versus amizade, mas é, em última análise, uma história de amor entre muitas pessoas que deveriam ter desistido umas das outras há muito tempo, mas assim mesmo, voltam a encontrar em si a esperança”.