Material para o professor

    A escrava Isaura

    Coleção Travessias

    Autor: Bernardo Guimarães

    Sobre o livro

    Numa fazenda da cidade de Campos, no Rio de Janeiro, vivia Isaura, uma belíssima escrava criada como filha pela mãe de seu patrão, o cruel Leôncio, cujo nome insinua sua ferocidade. Isaura tivera uma educação esmerada, era culta, sabia cantar e tocar piano, em nada lembrando a condição das escravas da época. Embora casado com Malvina, que era muito amiga de Isaura, Leôncio começa a perseguir e atormentar a jovem com propostas amorosas, que ela rejeita. Mas a situação vai ficando insustentável e, desesperada, com medo das ameaças de Leôncio, Isaura foge com o pai para Recife, onde vem a conhecer Álvaro, um jovem rico, abolicionista e republicano. Os dois se apaixonam, mas Leôncio a encontra e consegue trazê-la de volta, pois era sua escrava. Quando tudo parece perdido para Isaura, Álvaro chega com a salvação: descobrindo que Leôncio estava em péssimas condições financeiras, com seus bens nas mãos de credores, Álvaro compra os títulos da dívida e manda executar sua falência. Desesperado, Leôncio suicida-se. O vilão morre, o amor entre Isaura e Álvaro triunfa e, assim, fecha-se o romance.
     

    Conheça mais

    Detalhes da obra

    • Moderna Literatura
    • ISBN 8516039722
    • Código do produto: 12039722
    • Indicação 3º Ano (EM), 2º Ano (EM), 1º Ano (EM),
    • Tema complementar Ética,
    • Tipo de obra Ficção
    • Preço sugerido R$ 35,00

    Dados técnicos

    • Formato Impresso
    • Dimensões do produto 13,80 X 20,80
    • Número de páginas 128

    Sobre o autor

    Bernardo Guimarães

    Bernardo Guimarães nasceu em 1825, em Minas Gerais. De 1847 a 1852, cursou a Faculdade de Direito de São Paulo. Exerceu diferentes atividades ao longo da vida: foi juiz, professor, jornalista, mas gostava mesmo de literatura. Escreveu vários livros de poesia e ficção, mas foram os romances "A escrava Isaura" (1875) e "O seminarista" (1872) que reservaram um lugar de destaque a Bernardo Guimarães como um dos mais importantes prosadores do Romantismo brasileiro. Faleceu em 1884.