Moderna Araribá
Entrar | Cadastrar
Bem-vindo(a), .
Minhas Informações|
História » Programa de Leituras«Voltar
 
Português
Guia e Recursos Didáticos
Conteúdo Digital
Material Complementar
Programa de Leituras
Matemática
Guia e Recursos Didáticos
Conteúdo Digital
Material Complementar
Programa de Leituras
Ciências
Guia e Recursos Didáticos
Conteúdo Digital
Material Complementar
Programa de Leituras
História
Guia e Recursos Didáticos
Conteúdo Digital
Material Complementar
Programa de Leituras
Geografia
Guia e Recursos Didáticos
Conteúdo Digital
Material Complementar
Programa de Leituras
Projetos Colaborativos
Ajuda
Banco de Questões
atabuadeesmeraldasm.jpg

A tábua de esmeraldas
Autor: Heloisa Prieto, Paulo Bloise
Trabalho interdisciplinar: Português
Área: Ficção
Temas relacionados: Pluralidade Cultural
Formato: 17,00 X 24,00
Número de páginas: 120
ISBN: 9788516054090
Preço sugerido: R$ 48,00
Sobre a obra
Esse livro nos oferece uma possibilidade de aproximação das imagens e narrativas oriundas de uma sabedoria antiga, hoje quase inacessível: a tradição dos mestres alquimistas. Tal aproximação, porém, não se dá por meio de preceitos místicos impalpáveis, mas da concretude e da riqueza das imagens de mitos e lendas que, supõem-se, compunham o acervo da lendária biblioteca de Alexandria, cujo incêndio teria destruído registros preciosos do conhecimento hermético de muitos e diferentes povos da Antiguidade. Esse incêndio, ocasionado por ordem de um imperador árabe, foi conseqüência manifesta do repúdio da nascente cultura muçulmana por conhecimentos de magia e astrologia, que, pelo que se acreditava, confeririam ao homem um poder indevido, tentando-o perigosamente a aproximar-se do princípio divino. A despeito desse ataque, porém, parte dos conhecimentos dessa biblioteca de algum modo teriam sido preservados por meio da tradição dos alquimistas, que posteriormente seriam perseguidos e condenados pela Inquisição católica. A alquimia nos apresenta um mundo menos fragmentado, no qual a separação, tão óbvia para nós, entre misticismo e ciência não fazia sentido algum. De fato, embora os estudos dos alquimistas estejam na origem da química moderna e tenham-nos fornecido as bases para o desenvolvimento daquilo que seria, mais tarde, o método científico, não podemos entendê-los simplesmente como um estágio mais rudimentar e ingênuo daquilo que mais tarde se configuraria como a ciência tal como a conhecemos: a obsessão dos alquimistas com a transformação dos metais era inseparável de uma profunda busca espiritual. O que para a arrogância do cientificismo atual soa como superstição pode ser entendido como uma maneira inteiramente diversa de se conceber o que seja o conhecimento.

 
Sobre o autor
Heloisa Prieto
Nasceu em São Paulo, em 1954. É doutora pela USP e mestre em semiótica pela PUC. Heloisa é autora de diversas obras de literatura infanto-juvenil e detentora de inúmeros prêmios, entre eles o Jabuti, União Brasileira dos Escritores e Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, além de ter obras selecionadas para compor o acervo básico da biblioteca nacional.
Paulo Bloise
 É mestre em psiquiatria, analista junguiano, autor de "O Tao e a Psicologia" e "De olho na rua". É co-autor da antologia "De primeira viagem", (finalista do prêmio Jabuti, selecionada pelo programa PNBE), autor e co-organizador da obra Vida crônica (selecionada pelo programa PNLD). Atualmente, coordena, na Unifesp, o Anthropos, núcleo de integração mente e corpo, e na Editora Moderna a Série Imaginário.
© Editora Moderna 2013. Todos os direitos reservados.